Unsplashed background img 1

DGM Brasil percorre sete estados brasileiros no bioma Cerrado

Publicado em 20 de Junho de 2018 às 15:35

A equipe do Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA-NM), agência executora nacional do DGM Brasil, se reuniu com 11 comunidades indígenas, quatro quilombolas e quatro tradicionais, as quais tiveram as manifestações de interesse pré-selecionadas no segundo edital do projeto. As visitas de checagem tiveram início no dia 11 de maio e terminam no início de julho, passando pelos estados da Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí e Tocantins.

Nesta fase do processo seletivo, a equipe do DGM Brasil foi a campo realizar a verificação de salvaguardas socioambientais, analisar dados qualiquantitativos, bem como aplicar o protocolo de consentimento junto às comunidades e entidades representativas e de apoio, a fim de validar as ações do DGM Brasil.

Uma vez que na fase de pré-seleção buscou-se contemplar a maior diversidade de etnias indígenas, comunidades tradicionais e quilombolas, priorizando comunidades, povos e etnias ainda não contemplados, além de priorizar organizações comunitárias de base (representativas), em muitos casos, se tratam de comunidades nunca antes apoiadas.

“Das cinco iniciativas visitadas no Mato Grosso, duas são de autoria de povos indígenas de recente contato, da década de 70, que são os Enawene Nawe e Myky. No caso da Associação Etno-Cultural Indígena Enawene Nawe (Aecien), esta é a primeira experiência enquanto proponente, solicitante de recursos”, pontuou Paula Vanucci, consultora especializada em gestão do conhecimento, capacitação e mobilização da equipe-chave do DGM Brasil.

A proposta encaminhada pela Aecien tem por objetivo o fortalecimento da segurança alimentar do povo Enawene Nawe por meio do fomento dos quintais produtivos e de roça coletiva. “Trata-se de uma comunidade extremamente tradicional no que tange a preservação da sua cultura, mas com o desafio muito grande, porque recentemente se abre para a sociedade nacional”, acrescentou Paula, cuja experiência de trabalho com povos indígenas é de mais de 30 anos.

Apenas as iniciativas que passarem na avaliação das visitas de checagem serão consideradas aptas para aprovação final. O resultado é previsto para o segundo semestre de 2018                                                              

Segundo edital DGM Brasil

O segundo edital lançado pelo DGM Brasil, cujo prazo se encerrou no dia 30 de novembro de 2017, contou com 106 manifestações de interesse inscritas. Dessas, 67 foram recebidas online (inscrições feitas no site) e 39 encaminhadas pelo correio. Serão mais de R$ 2 milhões investidos em projetos que visem à conservação e desenvolvimento sustentável de territórios e culturas dos povos indígenas, comunidades tradicionais e quilombolas do Cerrado brasileiro. Com isso, o DGM Brasil totaliza o apoio a 64 projetos, 60 via processo seletivo, quatro por meio de carta convite enviada a redes formadas pelos diversos povos do Cerrado. No total, serão mais de R$ 6 milhões investidos no ‘berço das águas’ da América Latina.